A VIEIRA DA ASSOCIAÇÃO

- Mônica Campos

Mônica

Algumas pré-ocupações se apossavam da minha mente antes de eu ir ao Caminho.

Uma delas era a Vieira que me foi "passada" pela Lara da Associação dos Amigos do Caminho de Santiago. Eu tinha medo de perder, medo de quebrá-la, medo de não cumprir direito o papel que me foi confiado. Decidi primeiramente que não iria pendurá-la na mochila - o que a princípio me parecera interessante, pois (sem trocadilhos) a Vieira veria também o Caminho, como eu. Mas é que eu, muito estabanada, poderia quebrá-la encostando numa rocha ou numa árvore, sei lá...

(Confessional: Vocês não imaginam o que foi para mim, a responsabilidade de caminhar com a Vieira da Associação...)

Pois bem, por fim decidi carregá-la dentro da mochila, embalada num saco bolha dentro dos já famosos sacos plásticos. Estava eu inventando a Vieira Fedex, com garantia de integridade na chegada ao destino! Na primeira semana tive o cuidado de sempre verificar onde estava, como estava, sempre acomodando-a no meio das roupas. E acho que a Vieira me olhava de jeito esquisito a cada uma dessas demonstrações de cuidado exagerado.

No meio de tantas aventuras, por um momento não mais vi a Vieira que sempre estava à vista. Quer dizer, dei-me conta... Fiquei apavorada. Não! Eu não poderia ter perdido a Vieira da Associação!!!! Revirei a mochila toda, abri cada fecho-eclair, cada compartimento, e nada.... Cheguei a comentar com meus amigos: "Cacete. Acho que perdi a Vieira da Lara." Com a tranqüilidade habitual, Mário me disse: " Fica calma, Moniquinha. Você vai achar... ta aí... vai achar..." Suas palavras e sua voz deram a paz que eu precisava.

Parei de procurar, tava lá, agora eu já sabia...

No dia seguinte, sem a menor intenção de procurar, acabei por encontrá-la no saco dos absorventes higiênicos. E aí veio a recordação de que, num belo dia, eu optei por guardá-la naquele local por considerar ainda mais seguro.

(Confessional:Ainda estou digerindo e traduzindo o que isto significa...)

Talvez tenha sido um gesto inconsciente de proteger a Vieira daquela minha vigilância paranóica, que não estava sendo boa nem para mim nem para a Vieira. Vocês lembram da história da Lara e do "Tampão"? Pois é, e eu nem levei este tipo de absorvente...

Mônica

R E L A T O S