IX Encontro Nacional de Peregrinos em Salvador - Bahia


MANIFESTO PEREGRINO

As Associações de Amigos do Caminho de Santiago de Compostela (“Associações”), do Brasil, reunidas por ocasião do IX Encontro Nacional de Peregrinos do Caminho de Santiago, realizado entre 14/11 e 17/11/2018, na cidade de Salvador, Bahia, sensibilizadas pelo que vêm percebendo ao longo dos últimos anos no tocante à perda de identidade do Caminho de Santiago, em suas variadas ramificações, decidiram expressar o seguinte:

Pensando em estimular e preparar futuros peregrinos, as Associações têm desenvolvido um trabalho de divulgação e conscientização que atravessa décadas e já atendeu a milhares de pessoas, nas quais foram semeados a importância da preservação dos valores do Caminho.

Sem ignorar a grande importância que o crescente fluxo de viajantes passou a ter para a economia espanhola, sobretudo a galega, estamos preocupados com o impacto que eventuais interesses comerciais possam ter sobre a configuração e o espírito do Caminho de Santiago, a ponto de descaracterizá- lo como espaço no qual se possa ter um contato privilegiado com a natureza, observados os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto nos seus contextos, espaços de referência à identidade, à memória dos diferentes grupos formadores do Caminho, das expressões nos sítios rurais e urbanos de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico, para além de se exercitar o acolhimento e a solidariedade.

Temos notado que, não raras vezes, pequenos interesses comerciais têm se sobreposto aos interesses do peregrino, que se vê obrigado a desviar de rotas que seriam para ele mais seguras ou mais enriquecedoras do ponto de vista cultural ou pessoal; ou, ainda, a intervenção da Administração para tornar mais “confortáveis” alguns trechos do percurso, fazendo-o, porém, de forma a torná-lo mais atraente ao turista do que propriamente adequado a quem busca a experiência de peregrinar.

Para o peregrino, a sacralidade está além dos templos erguidos em pedra, cimento e/ou areia. Para o peregrino, todo o Caminho é sagrado, enquanto espaço para oração, para a busca interior e a conexão com o Divino. Infelizmente, constata-se a frequente ameaça causada pelo afluxo massificado de pessoas ao Caminho, que têm causado em algumas partes a sua destruição, como por exemplo: deixando um rastro cada vez maior de lixo, instituindo a algazarra, produzindo novas marcações, asfaltamento de trechos, desvios para áreas urbanas, causando incertezas e desconfortos durante o percurso e desviando do processo de introspecção.

Como peregrinos, temos consciência de que esse será mais um “obstáculo” com que teremos de lidar ao longo do Caminho. Contudo, isso não exime a todos de uma reflexão crítica a respeito das ocorrências constatadas nos últimos anos. Pela frequência, já pode ser considerado um fenômeno contemporâneo de globalização e de massificação, colocando em risco contextos de vida e do patrimônio religioso. Diante da constatação, alertam-se as autoridades para que se deem conta de que, a depender do grau em que os interesses do turismo venham a se sobrepor aos interesses do patrimônio cultural e religioso e, por conseguinte, do peregrino, corremos o risco de reduzir Santiago a mero “souvenir”, e a catedral em local apenas de visitação, em vez de contemplação e de oração.

Pedimos para que tomem este manifesto como um pedido de ajuda, realizado por quem reconhece o Caminho de Santiago como um tesouro da humanidade, a ser preservado para as gerações futuras, e assiste, no movimento que ora nele se realiza, a impossibilidade de uma visão otimista para o futuro. Colocamo-nos à disposição para participar de um debate que possa agregar todos aqueles que se preocupam em preservar o que faz do Caminho de Santiago um Patrimônio da Humanidade, com a certeza de que, juntos, saberemos encontrar soluções que possam melhor equacionar os interesses envolvidos.

Com as mais cordiais saudações peregrinas, subscrevemo-nos:


Associação Bahiana de Amigos do Caminho de Santiago (ABACS)
Associação Sergipana de Peregrinos (ASP)
Associação dos Amigos do Caminho de Santiago de Alagoas (AACS-AL)
Associação Brasileira dos Amigos do Caminho de Santiago (AACS-Brasil)
Associação de Confrades e Amigos do Caminho de Santiago de Compostela (ACACS-SP)
Associação Paranaense dos Amigos do Caminho de Santiago de Compostela (Curitigrinos)
Associaçāo Catarinense dos Amigos de Santiago de Compostela (ACACSC)
Associação dos Amigos do Caminho de Santiago de Compostela do Estado do Rio Grande do Sul (ACASERGS)
Confraria do Apóstolo Santiago do Rio de Janeiro

Brasil – Salvador (Bahia), 17 de novembro de 2018.